Sobre não mandar crianças pro colégio e nosso primeiro boneco de neve


A day in the life, Canada, dia-a-dia / segunda-feira, Fevereiro 5th, 2018

Eu tenho problemas seríssimos com “escola-escola”.

Quando eu estudava no turno da tarde, cansei de caminhar até o colégio engolindo as lágrimas vendo o meu pai acenando da janela. A gente passava muito pouco tempo juntos e a hora do almoço era o meu momento preferido com ele. Eu odiava dizer tchau.

Quando a escola passou pra manhã, na sétima série, eu praticamente parei de ir. Estourei o limite das faltas. Só em biologia foram 53. E, mesmo assim, eu continuei tirando 10 em praticamente tudo (educação física não conta, né?).

Isso sempre me fez questionar o método. Eu passava a aula inteira desenhando ou olhando pro relógio. E não me entendam errado, eu amo estudar! Gosto muito mesmo! Sozinha, no meu tempo, no meu silêncio. Um exemplo (e prova) disso é que eu nunca pude fazer curso de inglês quando criança (o salário da minha mãe ía inteiro pra mensalidade do colégio) e, quando eu acabei o colégio e finalmente me inscrevi no curso, eu acabei sendo convidada pra dar aula de inglês ao invés de cursar porque não tinha nenhum outro aluno em nível compatível comigo.

Colocação nojenta, mas que serviu pra explicar que eu REALMENTE GOSTO DE ESTUDAR, mas não gosto de aula. Aula, palestra, reunião… pessoas falando coisas e esperando que eu as absorva no geral!

Então, ontem no parque, conhecemos uma moça que também imigrou pro Canadá e, solteira, conseguiu adotar uma menininha de 7 anos de outro país. Ela não falava a mesma língua da menina, que já falava algumas coisinhas em inglês com as minhas filhas.

Eu fiquei imaginando o nó na cabeça da criança, com uma carinha de inocente – como toda criança – saindo do país dela e vindo parar nesse mundo de neve completamente maluco (no sentido de diferente de qualquer coisa que ela já tivesse visto).

A mãe, em licença maternidade, disse que vai ensinar a menina em casa esse ano, porque ela ainda está se adaptando.

A questão é que aqui, mandar a criança pra escola é uma opção. Os Canadenses não gostam muito dessa história de terceirizar a educação da criança e já ouvimos em tom bem bravo “O governo te paga pra tu cuidares teus filhos! Não pra colocar eles em creche”.

Ensinar as crianças em casa é muito interessante. A mulher do Taylor Hanson, por exemplo (desculpa, eu sou fã e, seguidamente, minhas referência envolvem os Hanson!) ensina 5 crianças de idades diferentes em casa. Ela faz passeios a museus, observatórios, teatros e várias outras atividades educativas ao invés de mandar as crianças pra escola. As crianças também socializam em aulas de teatro, música e outras línguas.

Eu sou completamente adepta à ideia mas, infelizmente, Taylor Hanson não nos sustenta. Inclusive, eu provavelmente sustento essa moça que fica em casa ensinando as crianças de tanto dinheiro que eu já dei pro Hanson!

No meu caso, apesar de eu ter feito muitos amigos na escola, teria sido um alívio poder ter estudado em casa e eu certamente teria aprendido mais, lido mais, ido mais a fundo em coisas que realmente me interessavam. Gosto muito de ter essa opção!

Por enquanto, sei que as meninas precisam conviver com mais crianças porque elas não falam muito, mas a ideia de deixar elas fucking SEIS HORAS E MEIA no colégio com 5 anos de idade está me torturando porque eu sei que pra mim seria uma tortura!

Em meio a minha confusão mental, enquanto eu conversava com a mãe da menina,  o Heitor colocou na cabeça que ele ía criar uma bola de neve gigante:

Então, as gurias ajudaram a criar o nosso primeiro boneco de neve da vida:

Reparem que eu, super coordenamente, tentei esculpir um rosto no boneco! ha-ha

Depois a gente andou um pouco de trenó ou tobogan, como eles chamam aqui. Enfim, a gente escorregou nesse PEDAÇO DE PLÁSTICO azul!

E eu voltei pra casa… cheia de dúvidas e coisas pra pensar sobre essa aventura de ser mãe em um país cheio de opções!

Obrigada pela visita!

9 Replies to “Sobre não mandar crianças pro colégio e nosso primeiro boneco de neve”

  1. Shell, eu já sabia que por aí é comum algumas crianças estudarem em casa, mas eu nunca tinha lido uma reflexão de uma mãe sobre isso… acho que eu também ficaria nesse dilema, porque aqui no Brasil não existe opção, né? A gente cresce sabendo que tem que ir pra escola, que tem que comprovar diploma disso e daquilo… pelo menos agora estão adotando algumas metodologias diferentes em algumas instituições (pena que geralmente em colégios particulares caros… aiai).
    Engraçado que eu me reconheci muito no seu comentário sobre escola, eu também não aguento sala de aula, palestra, reunião (nesse último então, vixi, eu sou conhecida por ser uma ótima profissional, mas que quase dorme em quase todas as reuniões). Mas quem sabe elas mesmas acabam decidindo, não é mesmo? Acho que você vai acabar sentindo o que é melhor pra elas 🙂

    Enfim… pelo menos o boneco de neve de vocês ficou maravilhosoooo! Ahahahaha
    Parece ter sido um dia bem gostoso!

    1. Luciana, querida! Tu sabes que eu te stalkeio loucamente pela internet, então me desculpa por não ter respondido antes!

      É uma grande decisão, mas é realmente um grande alívio ter a opção! Principalmente da maneira como eu vejo as meninas das high schools serem cruéis umas com as outras (brigas de rua, facadas e mesmo o bullying). Eu não quero privar minhas meninas do mundo, e claro que eu quero que elas aprendam a lidar com as pessoas, mas eu sinto que as crianças aqui são BEM sem noção e que se fosse no meu caso, eu preferiria estudar em casa, certamente!

      Decisions, decisions! (tô igual àquela guria da malhação que falava metade em cada língua e eu achava ridículo)

      1. Shell! Vim aqui visitar o seu blog e dar uma lidinha se você tinha respondido meus comentários anteriores… ri muito do ” Tu sabes que eu te stalkeio loucamente pela internet” porque eu não fazia ideia ahahahaha!

        Eu que peço desculpas pelo sumiço, ando com muita dificuldade em conciliar todas as minhas tarefas, e visitar os blogs queridos acabou ficando de lado por um tempo. Mas hoje tirei um tempinho pra ficar na cama comentando nos post tudo ahahaha!

  2. Escola pode ser cansativo e muitas vezes cruel, mas tudo é um caso a se pensar.
    Sou a favor da listinha de prós e contras que aprendi anos atrás com Rory Gilmore (fazer o que, sou fã, haha). Pode ser que te ajude nessa decisão.
    Só de ter opção é muito bom. 🙂

    A propósito, ri alto com essa parte do texto:
    “Inclusive, eu provavelmente sustento essa moça que fica em casa ensinando as crianças de tanto dinheiro que eu já dei pro Hanson!” haha

    Beijo!

    1. Gente, mas eu tinha certeza que eu tinha respondido esse comentário há muito tempo. Eu devo tá com os parafusos mais soltos do que eu imagino!

      A Rory tá muito certa e guia a gente pela vida! hahaha Não te culpo por ser fã! Eu também sou! Claro que não tanto quanto do Hanson, afinal, eu não trabalho loucamente pra sustentar a Rory…

      Ainda tô pesando a decisão e SIM, já tô fazendo uma listinha! hahaha
      ♥♥♥
      Obrigada pela visita! *adorei teu cabelo

  3. Oi Shell! Acabei de conhecer seu blog e já me identifiquei demais! Hahaha
    Eu tbm sempre amei estudar, e tirei boas notas (concordando que educação física não conte) mas sentia que a escola não era o suficiente. Aí fui prestar vestibular e vi que realmente não era.
    Acho incrível essa flexibilidade – ou seria liberdade? – de alguns países. Afinal, vc é a mãe e sempre vai querer o bem para as suas filhas.
    Que sonho poder morar em um país onde se fala inglês! Esse friozinho… Poder fazer um boneco de neve… Ain! ♥
    Suas filhas são lindas demais! Tô apaixonada por elas!
    E adorei as fotos! Fiquei com vontade de conhecer o Canadá!
    :*

    1. Oi, Bia! Desculpa a demora pra responder!
      Os teus comentários me fizeram perceber que eu estou sendo uma daquelas pessoas que conta mentiras na internet! Claro que o Canadá, como todos os lugares, tem coisas muito legais, mas também não é perfeito (nem um pouco!)! Vou começar a me policiar pra fazer posts um pouco mais realistas e menos fantasiosos… mas também, no final são as lembranças boas e fotos bonitas que a gente deve carregar na memória, né? Também não quero ficar ranzinzando* na internet!
      Beijos e obrigada pela visita!

  4. Com certeza esse método clássico de aulas/colégio/educação tradicional não é para todo mundo. E não se adaptar às aulas não quer dizer que a pessoa não gosta de estudar, você é prova viva disso. O importante é ter opções, né? Porque quando não se estuda por falta de opção (e de oportunidade), aí sim é uma tristeza. Beijo. beijo :*

    O boneco de neve ficou lindão! <3

    1. É verdade Camila! Minha mãe passou a vida dando aula pra crianças menos privilegiadas e com muito orgulho colocou algumas na faculdade federal nos cursos mais competidos. Mas todos os dias, ouvia as histórias das crianças que tinham que parar de estudar por motivos que fugiam ao controle de qualquer pessoa. Passei a vida com vontade de salvar o mundo, e em algum momento, decidi começar salvando a minha família.
      A gente faz o que pode, e eu acho que só de não ser um a-hole com todo mundo, o pessoal já ajudaria bastante!!!
      beijos e obrigada pela visita!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *