Mais um post sobre dias chuvosos.

Não é novidade pra quem me conhece há mais de 5 minutos que eu amo chuva (o meu marido acha que é porque chuva lembra Rio Grande – haha). Mais particularmente, eu amo o efeito sombreado-azulado dos dias que chuva que lembram o filtro de Crepúsculo, como eu contei no post sobre o quarto da Bella na saga. (eu quis dizer “MAIS” mesmo, e não “mas”, tá?)

É muita paixão pela preguiça. Certamente! E esse ano tem me presenteado com dias chuvosos perfeitos aqui em Ottawa! Eu acho que isso está acontecendo pra compensar o primeiro ano da gente aqui, quando não choveu absolutamente NUNCA e eu tava quase indo embora pra Vancouver de tanto que eu precisava sentir cheiro de ozônio! Dizem que chove muito em Vancouver. Muito mesmo.

É engraçado que as minhas pequenas *super* entram nesse clima de “lazy sunday”comigo, o que me deixa feliz porque eu vejo que elas gostam de brincar dentro de casa como eu gostava!

Outra coisa que eu gosto de dentro de casa são as janelas que te mostram alguma coisa interessante, principalmente o azul do céu ao entardecer, que é a minha hora preferida do dia. Morei muitos anos com vista pra uma parede e um dos objetivos da minha vida era ter uma janela pra olhar!

Aqui uma foto da janela do quarto de briquedos:

E algmas do entardecer…

Talvez “caseira” seja uma boa definição pra mim, apesar das aventuras de bicicleta por aí.

Eu acredito bastante que a nossa casa deve refletir a nossa personalidade e que TUDO ali dentro por influenciar o teu humor, entusiasmo, e definir realmente quem tu te tornas. Então, dentro de casa, eu prezo muito pela sensação de conforto-alegre. Só prezo, né? Porque a realidade no momento é só bagunça mesmo.

Pra quem não sabe, “triste”, pra mim consiste em só coisas extremamente monocromáticas numa casa e organizadas ao extremo. Casas alegres têm brinquedos! Ou cores (não-saturadas, por favor!)!

A minha casa sempre foi cheia de brinquedos e hoje em dia é ótimo que eu tenho as meninas como desculpa pra tê-los espalhados por tudo (mas já aviso que elas vão crescer e os brinquedos vão continuar…)!

Mas isso não significa que eu não goste da rua (um pouco)! Olha que coisa bonita essa foto de hoje de manhã:

As luzes brilham mais e refletem no chão, todas as cores ficam em tons mais pastel e harmônicas entre si e tem todo um mistério no ar causado pela ausência de exposição extrema que a luz excessiva do sol nos tráz.

Eu fiquei igual a uma idiota tirando fotos da chuva que não dizem absolutamente nada, mas que eu acho lindo! Vai entender…

Porque é lindo, ora bolas… não é?

E assim, o final de semana foi passando. A temperatura caiu bastante e as minhas pequenas foram pra rua procurar a lua…

Cheguei no trabalho hoje, e encontrei um presente em cima da mesa, de um colega que sabe que o meu marido gosta de jogos e disse que não usava mais.

Não vou nem discutir, né?

Share This:

1 ano em Ottawa

Em uma semana, a gente vai comemorar uma coisa muito inédita aqui no Canadá: Teremos passado um ano inteirinho na mesma cidade!

Ottawa tem seus defeitos (e eu to pronta pra fugir daqui), mas, certamente o centro, principalmente durante o outono, não é um deles!

Vou deixar aqui as fotos do domingo porque finamente o blog voltou a funcionar e eu consigo atualizar!

Clicando nas fotos, vocês conseguem baixar a versão ampliada!

=)

O post foi curtinho, porque eu tô com vários guardados aqui no tempão que eu fiquei tentando atualizar o blog, mas estava com algum problema no servidor!

Espero que gostem de ver os tons de outono por aqui!

Beijos

Shell e família!

Share This:

Planos para o nosso quarto novo!

Nem sempre o que aparece na revista é o ideal pra ti e pra tua casa.

Acontece que a influência da mídia é tão grande, que a gente (eu?) acaba se deixando levar pelos encantos das cores e móveis que estão na moda e, às vezes, isso faz com que, no final das contas, a casa não fique com cara de “nossa”.

Por exemplo:

Isso é lindo. Mas não sou eu!

Eu reparei nisso esses dias, quando eu percebi que eu era MUITO feliz no quarto de brinquedos das minhas filhas mas não no meu – até porque o meu ainda está praticamente vazio!

Então, eu comecei a analisar os elementos que eu precisaria implantar no meu quarto pra fazer eu sentir que aquele ali também era o meu canto!

Pra variar, eu fiz uma lista! (Amadores de listas amarão listas!)

  1. Evitar monotonia de cores.

Eu me peguei comprando tudo bege e branco porque eu estava tentando chegar a algo parecido com as 2 imagens abaixo – que sempre me encantaram!

Na vida real, por mais que eu continue achando as camas lindas, falta um pouco de calor nesse pastel todo. Eu acabei me arrependendo e reestudando a ideia.

Talvez eu tenha crescido / mudado / passado pra uma outra fase… enfim, as possibilidades são infinitas e não necessariamente o que funciona pra mim agora vai funcionar pra ti também!

Aliás, não necessariamente o que funciona pra mim em 2017 vai funcionar em 2018 e é provável que eu me contradiga algumas vezes aqui no blog! 

 

  1. 2. Saber para onde está indo

Quando eu escolhi a cabeceira da minha cama, eu lembrei muito da minha casa ideal  (a casa de “O Amor não tira férias ) : Lembra?

A Bridget Jones, no seu apartamento renovado,  também é fã do estilo… (e eu fã dela!).

 

Cuidadosamente, escolhi então uma opção compatível com o meu orçamento (oi, IKEA!) que tivesse os elementos chave do estilo: Uma cama de ferro branca em estilo romântico.

A minha é essa aqui:

No site da IKEA, a gente nota na imagem de exemplo o quanto ela pode ficar excessivamente branca se os cuidados necessários não forem tomados (a não ser que a tua ideia seja realmente deixar a peça super branca). Então, eu juntei essa brancura toda e esse romantismo àquela colcha da mmartan, que eu mencionei aqui esses dias, para “quebrar” um pouco da monotonia. Seguindo o estilo romântico com a estampa florida – pra não me perder!

  1. 3. Manter a saturação 

É sempre bom ter uma imagem de inspiração, que não necessaritamente será copiada ao pé da letra  mas mas vai te dar um “norte”e evitar que tu fujas da ideia principal.

Eu tenho algumas, e, em se tratando de leque de cores e estilo, umas das minhas preferidas são essas aqui:

 

Nessa última imagem, ignorem o que não estiver no sofá-cama – que não for o tapete! 

 

Eu gosto dos elementos e da maneira como esse tipo de decoração não te prende a uma única cor. Acho que esse equilíbrio e a presença de várias cores são ideais pra mim, porque é essa a ideia que o meu cérebro associa à “casa” – provavelmente por nós termos passados os primeiros 18 anos da minha vida morando com a minha avó! Pra mim casa de vó = casa. A tia Meri vai discordar!

Um exemplo de “problema” pra encontrar esse equilíbrio é a escolha de elementos com cores saturadas:

Pode até ser legal, mas não é o que eu busco pra essa peça. Manter um padrão de cores é importante, mesmo que esse padrão seja a mistura.

Como conseguir isso? É fácil. Pensando na estrela de cores, lembrem que as cores podem ser misturadas, mas o tamanho do teu círculo  não pode variar. Ou seja, a saturação (adição de branco, preto ou cinza) das tuas cores, deve ser a mesma sempre!

Aqui, a estrela de cores que a gente fez no segundo semestre da arquitetura e que me ensinou sobre saturação:

 

 

 

Faz todo sentido do mundo agora, né?

  1. 4. Detalhes pessoais

Eu tenho uma amiga que gosta muito de plantas, principalmente amarelas. Pra ela, esse é um detalhe que dá personalidade ao ambiente e faz a gente saber que chegou na casa da Bianca! Eu gosto de várias coisas (xadrez sendo uma delas!) e gosto muito também da meia-luz! Seja ela com abajour ou com essas luzinhas de Natal que *ainda bem* o pessoal tem mania de usar aqui como decoração e deixam o ano inteiro pela casa. Então, pra mim, luzinhas são importantes!

No quarto de brinquedos, a gente tem essa aqui:

Pra mim, essa nuvenzinha funciona muito bem e eu acho engraçado como as minhas filhas também desligam a luz grande e deixam só a nuvem ligada! Essa coisa de preferir a luz aconchegante é genética, aparentemente.

Lembrando que, aqui no norte o pessoal acredita muito que a luz central das peças (vinda de cima) é altamente prejudicial à saúde e, para permanência noturna, eles evitam o uso dela! Na dúvida… eu que nunca gostei da esposição causada pelo excesso de luz, aderi à meia-luz completamente!

Aqui, uma foto na nossa casa antiga que exemplifica essa iluminação e a saturação padronizada do meu colorido:

Infezlimente, a casa nova ainda não está “apresentável”. Tivemos que deixar vários tapetes e móveis pra trás quando os bed bug invadiram essa casa da foto… mas tudo bem, eu adoro começar de novo mesmo!

E então, por enquanto, esses são os planos para o meu quarto! Vou arrumar tudo essa semana quando a minha mãe chegar (oba!) e, se ficar descente (ai, como eu duvido) eu mostro aqui!

Boa semana pra todo mundo!

Share This:

Preguiça de Domingo à noite e a casa do Ursinho Pooh

Amanhã é feriado aqui e hoje choveu o dia inteiro! Na minha cabeça, eu ía passar esses 3 dias na frente da televisão, estudando francês e atualizando o blog!

Esse sonho durou mais ou menos o tempo de tirar essa foto e eu já fui arrumar a casa…

Então eu notei que essa foto era a cara dos desejos mais profundos da minha alma!

Sendo o ser eternamente cansado que eu sou -e ao mesmo tempo apaixonada por decoração e desenhos de todos os tipos- eu me peguei reparando nos elementos que tornam as cenas da vida aconchegantes pra mim. Entre eles:

  • As cores em pastel – cores saturadas quebram o clima!
  • Os tecidos em xadrez, de preferência não-lisos (Gente, eu não sei nome de tecido. Minha mãe sabe TODOS! Vocês entendem o que eu quero dizer por não-lisos? Tecidos quentes! Fez sentido?)
  • A madeira;
  • A meia-luz;
  • As roupas-que-não-me-apertam ;
  • Poluição visual na medida certa.
  • A chuva lá fora (eu amo chuva um pouco demais)!

Já que a minha casa não tá nem um pouco perto de estar devidamente decorada, deixa eu explicar com imagens da internet:

Xadrez, madeira e meia-luz para conforto:

A poluição visual na medida certa é o motivo pelo qual a primeira cozinha faz eu me sentir legalzinha-até e a segunda faz eu me sentir em casa. Observa:

Agora, a terceira já faz eu me sentir na casa da minha mãe:

Eu luto bastante pra não causar essa poluição na minha cozinha, mas infelizmente TODAS AS CANECAS DO MUNDO e TODOS OS POTES DE BISCOITO DO MUNDO me chamam a atenção… e eu acabo caindo na minha própria armadilha!

O que fazer nessa hora? Bom, ao menos tentar coordenar um pouco as cores! Se além de poluído estiver colorido (descoordenadamente) é um caso perdido mesmo!

Nesse clima de preguiça e conforto, eu acabei chegando à conclusão de que eu seria bem feliz na casa do ursinho pooh!

Como o meu cérebro pulou do xadrez pro pooh? Ah, isso já é um mistério!

Olha como a disney é boa de meia-luz, madeira e conforto:

Tá com sono, já?

Eu, sim! O desenho inteiro do pooh me dá preguiça… eu adoro a combinação de cores e os traços que realmente parecem feitos à mão:

Mas nenhum desenho no mundo me dá tanto, tanto, tanto sono quanto aqueles em que o Donald não consegue dormir:

Cansada, eu? Nesse momento? Imagina! Cheguei ao cúmulo de fazer um post inteiro dedicado ao sono…

Mas olha pela minha janela e vê se essa chuva e esse tom azul maravilhoso do céu não são um convite à preguiça?

Enquanto a chuva caía, a gente brincava com o trem no quarto (durou uns 10 minutos, claro…)

Acho que essa preguiça toda que eu tô sentindo é a minha forma de homenagear a Gab que vai ser mãe em alguns dias (ou horas!) e eu tô aproveitando pra lembrar o quanto é BOM ter crianças que dormem a noite toda e poder voltar a curtir o barulho da chuva!

Gab, uma boa “hora” pra ti e pra Lara e quando a falta de sono estiver fazendo tu teres vontade de abrir a cabeça do Flávio e comer o cérebro dele lentamente com uma colher… lembra que daqui a pouco vocês vão estar brincando de trem num dia de chuva!

Beijos nossos pra vocês!

Durmam bem todas as mamães, papais e seus bebês!

Share This:

Uma noite de Aventuras – Quarto da Chris

Eu lembro vagamente dos anos 80 (nasci em 1982) e eu acredito que grande parte da minha memória dessa época tenha sido criada, na verdade, na década de 90, assistindo a sessão da tarde!

Sabe, crianças… acontece que, naquela época, quando um filme era lançado nos USA, demorava UM CERTO TEMPINHO pra ele chegar nas locadoras e mais ainda pra chegar na TV! E , quando chegava, era repetido 1498597 vezes ( o que não era um problema… porque eram ótimos! )

Inclusive, até hoje eu tenho um carinho tão grande pelas comédias dos anos 80, que eu procuro colecioná-las!

Hoje eu vou enfatizar um pequeno quarto de um filme que sempre coloca um sorriso no meu rosto: “Uma noite de Aventuras” ou “Adventures in babysitting” de 1987!

Por sinal, esse filme foi dirigido pelo Chris Columbus, que é um gênio e, no futuro, participaria de uma série dos meus filmes preferidos como “Esqueceram de mim”, “Harry Potter” e até “The help” e “Tallulah”! (Avisei que ele era genial!)

Pra quem ainda não lembrou de qual filme eu estou falando, é esse aqui:

Lembrou agora?

Pois então! No início do filme, a Chris aparece dançando no quarto dela e esse quarto sozinho é a minha peça preferida!

Acontece que eu sou a-loka do papel de parede como eu já contei nesse post aqui! E esse do filme é o meu estilo preferido!

Tentei pegar ele mais de perto e podemos perceber que ele tem muitas cores:

 

Sim, ele é cheio de informação e provavelmente cansativo, por isso, cuidado! Tem que gostar muito! Valendo lembrar que – principalmente no Brasil com a umidade – a vida útil de um papel de parede é de mais ou menos 7 anos!

As imagens mostram que há uma hamornia (que deve haver sempre!) entre todos os papéis de parede da casa. Por mais que ele tenha muita informação, a paleta de cores foi seguida até com a troca de padrão do papel como a gente nota no corredor:

 

Os posters colados na parede nem precisaram de moldura:

  1. Por ser um quarto de adolescente
  2. Novamente, pelo número de informações que o papel de parede tráz.

Sim, é um quarto feminino ao extremo. Mas adivinhem? Eu sou mulher e eu gosto de cor-de-rosa. Meu marido parece não ligar muito pra nossa colcha cor-de-rosa…

Falando em colchas bonitas, eu gostei dessas, mãe:

Desculpem o apelo, mas funcionou. Minha mãe me deu a colcha! Agora posso prosseguir:

Reparem que mesmo sendo um filme de 1987, o quarto clássico – tirando os acessórios na penteadeira – ainda tráz muitos elementos que são usados nos dias de hoje. Esse estilo provençal é realmente atemporal!

Reparem também que a cortina, a cúpula do abajour e a colcha são todos lisos pra não sobrecarregar com estampados:

 

Eu teria arrematado esse teto com gesso… mas isso é um problema meu!

E, bem quando eu achei que eu só veria um lado desse quarto lindo, eles me presentearam com essa cena:

 

O papel de parede é tão marcante que ele faz com que as roupas coloridas não quebrem o padrão de cores da peça. Em alguns filmes – e principalmente nas revistas de decoração – as pessoas  “forçam” muito uma combinação de cores usando roupas da mesma paleta dos móveis. Assim:

Aí a gente tenta arrumar o armário e NUNCA vai ficar assim… porque as nossas roupas têm mais de uma cor, né? Por isso (mais uma vez eu digo) que eu prefiro os filmes e seus guarda-roupas mais próximos do real:

 

Que quartinho bem lindo! E, pra quem é fã dos filmes dos anos 80 como eu, eu descobri dois sites muito legais enquanto pesquisava:

https://meuqiabaixodezero.blogspot.ca/2015/04/filme-do-dia-adventures-in-babysitting.html – em português

http://torontoist.com/2016/10/where-adventures-in-babysitting-was-filmed-in-toronto/ – em inglês

 

E, pra quem quer um papel de parede florido, a minha coleção preferida chama-se ” Abbey Rose” ! Aqui, alguns exemplos dela:

  

Meus preferidos:

Eu avisei que eu gostava MUITO de papel de parede!

Até a próxima casa!

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Share This: