“The women” – Mulheres: O sexo forte


Casas de filmes / segunda-feira, Janeiro 15th, 2018

Eu escrevo aqui sobre as nossas pequenas aventuras do dia-a-dia e sobre as casas dos filmes. Às vezes eu sinto que esses temas são tão distintos que eu deveria separar o blog em 2. Mas não vou fazer isso!

O importante é que quando eu escrevo sobre as casas eu não faço isso pra ter mais um filme na lista. Eu só escrevo sobre as casas que eu realmente gosto.

Hoje, não vai ser diferente.

Eu estou completamente apaixonada (e quando que eu não tô?) pela casa da Meg Ryan em “The women”! Inclusive, eu acho que eu encontrei o meu estilo perfeito (de novo)! Só falta encontrar o dinheiro perfeito porque a situação é problemática (pra variar)!

Primeiro, a casa fica em Dover, Massachusetts, USA. Esse lugar, Dover, é um ponto verde perto de Boston. Olha no mapa:

Por ser um ponto verde, longe da cidade, Dover é um dos refúgio de celebridades e gente com muito dinheiro em geral. Porque nesses lugares, além da privacidade, essas pessoas encontram lotes maiores e podem bancar coisas extremamente necessárias na vida de qualquer pessoa humilde -tipo um heliporto no quintal- e ainda assim podem viajar até as cidades grandes pra manter seus negócios milionários.

Passeiem por Dover (no google maps, como eu fiz) pra sentir o drama…

Tecnicamente, eu sou uma pessoa riquíssima porque eu tenho duas filhas saudáveis e lindas. Mas assim, dinheiro em espécie, não é exatamente algo que eu tenha… o que é uma grande tortura quando eu percebo que esse “Colonial Revival” é a minha cara.

O Colonial Revival é o estilo da casa do Esqueceram de Mim, são casas:

  • quase sempre com formato de caixa (há exceções)
  • normalmente simétricas
  • com a entrada bem marcada
  • usam elementos da arquitetura grega e romana – como as colunas de marcação da entrada
  • janelas de duas colunas com persianas
  • os tijolos aparentes são muito usados nas fachadas (na verdade são um revestimento)

Se eu estudei certo, esse estilo surgiu numa competição entre arquitetos de Chicago na tentativa de deixar a cidade menos branca.

A casa do filme não é em formato de caixa, mas segue o estilo. É uma casa real e o filme foi feito dentro dela – e não em cenário.

Eu gosto da maneira como esse estilo permite a mistura de elementos de decoração clássicos e modernos lado a lado.

A mistura de branco com tons médios de madeira é algo que faz o balanço ideal. O ambiente não fica nem muito carregado nem excessivamente sem cor. É a única situação em que eu amo branco!

Reparem como os puxadores dourados fazem referência à moldura dos quadros. Tudo tem ligação. Essa referência é importante pra unidade de um projeto.

Esse painel de madeira no fundo do armário eu questiono, mas eu só questiono porque eu não tenho empregada e eu penso que seria difícil manter algo com madeira e reentrâncias limpo na cozinha.

Abajour na cozinha é algo de Deus.

Assim como televisão na cozinha, que é algo que eu cultivo na minha vida desde os anos 80.

Eu, particularmente, gosto da ideia de cortinas que dêem privacidade. Que tu tenhas a possibilidade de fechar e as pessoas não enxerguem a tua casa, mas essas rendas brancas são lindas. Eu adicionaria uma persiana secundária ali. Mas claro, no caso dessa casa que fica no meio do mais absoluto nada, não é necessário.

É muita riqueza, né?

A próxima peça da casa que a gente vê nesse filme é o hall – muito rapidamente. Mesmo rápido, a gente observa que a escolha de tapetes foi o clássico, o que é mais um ponto na decoração perfeita pra mim!

Nada foge muito do branco/bege nas paredes, mas o piso escuro faz o contraste.

No lavabo, a gente encontra esse papel de parede lindo. Lindo. Lindo. E quadros na parede com a mesma moldura dourada (ó a unidade):

Desmaiei.

Continuando, a gente conhece o escritório:

Tá. O escritório é super masculino (até porque ele é pra ser o Sr.Haynes no filme) e eu acho um pouquinho escuro demais. Eu já falei aqui que eu tenho uma dificuldade extrema de criar ambientes masculinos porque eu sou uma pessoa extremamente rosa-pastel. Mas é um escritório sóbrio e que une vários elementos clássicos (no sentido de recorrentes) como a cadeira de couro e a paleta marrom-cinza-preto.

A moldura dos quadros continua dourada assim como na sala:

Eu esqueci de capturar uma imagem do quarto – porque honestamente não me chamou a atenção (é porque além de pobre eu sou exigente). Mas, pra nossa felicidade a casa foi posta à venda e assim, foram disponibilizadas imagens do interior real dela na internet:

Essas salas são chamadas de “solar rooms” (solários) e são salas com muitos vidros pra pessoa realmente ficar no sol… mas dentro de casa.

Não gostei do piso frio! Prefiro a casa no filme (como sempre). Mas tudo bem… eu até compraria ela do jeito que tá.

O comentário mais honesto que eu teria sobre essa casa é um suspiro.

Sou só eu?

Boa segunda-feira!

6 Replies to ““The women” – Mulheres: O sexo forte”

  1. Eu acho essas casas lindas, mas acho que eu me sentiria perdida dentro delas por conta do tamanho, ahahaha! Gosto de ter meu cantinho pequenininho e acolhedor!
    Mas o estilo é realmente bem bonito, to adorando te visitar e conhecer mais sobre arquitetura e decoração! Detalhes que eu nunca ia pensar, como combinar puxadoras e molduras, passarão a ser mais observados a partir de agora, ahahaha!
    Beijos 🙂

    1. Oi, Luciana! Obrigada pela visita (adoro teu blog!)
      Realmente, eu há alguns anos preferiria ter um kit-net SUPER a minha cara, mas depois de ter as crianças e enfrentar temperaturas de -30 na rua, eu ando revendo meus conceitos. Na verdade, tudo é a velhice! Acho que a gente passa por fases!
      Queria que a fase de ter dinheiro pra escolher a decoração da casa chegasse logo, só! hahaha
      beijos!

  2. O piso frio realmente tirou um pouco do charme da casa. Sou maluca por pisos de madeira, acho que eles podem transformar completamente um ambiente. E, nossa, Dover é mesmo incrível. Não tenho nem roupa para entrar nessa cidade. Hahaha! 😉

    1. <3 Querida, obrigada por voltar aqui! Tu deves ter pego a bagunça do blog de hoje de manhã (eu deletei um pedaço do código e tirei tudo do ar aí fiquei com um layout antigo durante horas até consertar!)

      Eu ri muito do "não tenho nem roupa"! Super verdade!!! Quando tô feliz com a minha vidinha, vêm esses milionários acabar com a minha festa! hahahaha Mas tudo bem, como eu disse, eu sou riquíssima!

      Beijos pra ti!

    1. Home office é vida, né? É tipo… minha mais nova meta nessa encarnação! hahaha
      Fico feliz que tu também tenhas tido *problemas em lidar* com Dover!!! Sabia que não podia ser só eu!!!
      Beijo pra ti!!!

Deixe uma resposta para Luciana Midory Cancelar resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *